Archives

Arte, Viagem

omi-cor2Caminhando por Miami, pela extensão da 2nd Avenue, é fácil perceber o poder do colorido. Exemplo de revitalização e valorização de um antigo bairro “esquecido” de Miami continental, o Wynwood Art Dstrict é hoje um dos pontos turísticos obrigatórios de quem visita a cidade. Dando contrastes extravagantes a dezenas de paredes em torno da 2528 NW com a 2nd Ave, artistas como Barry McGee, Ron English e os brasileiros Kobra e Os Gêmeos, fazem a região transpirar arte de rua, aliando antigos espaços a modernos restaurantes (super inspiradores) e galerias. Para quem curte eventos diferentes, todo segundo sábado de cada mês acontece a Gallery Night Art Walk, quando as galerias se reúnem para um show de exposição de arte durante a noite.

Por causa da arte, em Wynwood, o mais importante é a cor. A cor que reflete a intenção de cada artista, a cor que reflete a importância da renovação, a cor que propõe mais alegria a um despretensioso passeio.

Arte

Uma maquiagem pode corrigir defeitos, disfarçar imperfeições, e esconder pontos fracos. Mas se feita da maneira correta, ela se preocupa principalmente em evidenciar pontos fortes, equilibrar a simetria do rosto, destacando a beleza natural de uma pessoa.

Há quem diga que maquiagem é futilidade, mas quando ela se alia a um trabalho de valorização da autoestima, o resultado é inegável: largos sorrisos e lágrimas nos olhos.

 Talita Valim é uma profissional do ramo, que realiza o trabalho de forma séria, inspiradora e divertida, envolvendo suas clientes em um universo de magia e bem-estar, respeitando suas particularidades, levando felicidade através de seus pincéis. Famosa nas redes sociais e fora delas, conquista fãs que a seguem e a recomendam.

Em termos de maquiagem, o mais importante é a autoestima. Usá-la como objeto de trabalho, ter o cuidado de encontrar a beleza interior da pessoa a ser maquiada, e externalizá-la da melhor forma possível, transformando sonhos em realidade.

 

Serviço:

Talita Valim no Facebook e no Instagram 

Fotografia: Jorge Queiroz e Dalila Capelini  | Modelos: Karina Flores e Talita Valim

Cinema

Birdman (ou A Inesperada Virtude da Ignorância ) é uma comédia de humor negro, que acompanha a história de um ator, famoso por interpretar um super herói no cinema, enquanto luta para dar forma à montagem de uma peça na Broadway.

Nesse filme indicado ao Oscar 2015, o mais importante é a dualidade. Entre aceitação e fuga, entre realidade e imaginação, entre arte e fama. Não há certo, nem errado, melhor nem pior, mas real e irreal.

O longa consegue propor discussões relevantes de forma perturbadora, provocativa e emocionante. A gravação em plano-sequência, bastante explorada, ajuda a contextualizar a batalha do personagem principal contra seu ego, que se transforma em uma gangorra que passeia entre o efêmero e o duradouro.

Uma obra-prima da metalinguagem.

Arte

Olha os pêlos! Olha as veias! Olha a textura da pele! Igualzinho!

Ao visitar a exposição Ron Muek, do artista homônimo, em cartaz na Pinacoteca de São Paulo, essas são as frases mais ouvidas pelo público. Juntas ou separadas.

As peças presentes na mostra permitem ao espectador mergulhar em um universo que brinca com a ilusão e o mundo real, apresentando personagens e situações peculiares, galgados em uma excelência na escultura dos materiais. Esse capricho pode ser visto inclusive em um vídeo que fica à disposição de quem visita o local, e que mostra o estudo, a concentração e o cuidado com que o artista trabalha na confecção de suas obras. O resultado gera estranheza e curiosidade. E vale a pena a visita.

Em Ron Muek, a exposição, o mais importante é a realidade. A realidade “aumentada” ou “diminuída” de suas peças; a realidade proposta com sinceridade por detalhes impressionantes que imitam seres humanos; a realidade transformada a partir de sonhos do artista.

Cinema

Uma história sem vilões ou mocinhos. E nem por isso sem pé nem cabeça.

No início do longa Garota Exemplar (Gone Girl), tudo parece caminhar para um grande clichê dos filmes de investigação e suspense. Mas conforme as horas se passam – sim, são mais de duas horas de filme – o espectador vai percebendo que existem outras nuances da história. E isso faz toda a diferença.

O enredo trabalha de forma inteligente os limites da lógica, da ética, do amor, da obsessão, da perfeição, do possível. E entrega a quem assiste um desfecho digno de reflexão.

Em Garota Exemplar, o mais importante é o mistério. Mistério que acompanha todo o desenrolar da história e que, mesmo com as devidas explicações, permanece após o término do filme. Nada mais justo do que terminar essa história deixando o desconhecido, inerente à condição humana, reinar e desafiar os mais racionais.

Cinema

Pode uma canção salvar sua vida?

De forma singela, o filme apresenta seus personagens desolados, desanimados com a condição em que se encontram, desacreditados pela vida e em uma Nova York sem glamour, mas verdadeiramente charmosa. Aos poucos, o espectador descobre os caminhos que levaram cada um deles aos desafios que se apresentam, sempre embalados por tocantes canções. O destino de cada um passa a ser desenhado através de escolhas triviais mas de grande significância. O desfecho presenteia os mais pessimistas com uma injeção de esperança.

Em Mesmo Se Nada Der Certo (Begin Again), o mais importante é a sinceridade com que toda a história se desenrola e com a qual os personagens levam suas trajetórias de vida, usando de uma simples mas difícil transparência de sentimentos em meio à selva de interesses e superficialidades que vivemos hoje.

Cinema

Assistir a filmes de super heróis sempre foi um programa obrigatório para os fãs de histórias em quadrinhos. Mas de uns tempos para cá, as adaptações para a tela grande têm chamado a atenção de outros tipos de público, tamanha a diversidade de assuntos tratados, qualidade dos efeitos especiais, e escalação de atores famosos para viver os personagens principais.

Guardiões da Galáxia pode ser considerado a soma de todos esses fatores, e ainda a prova de que é possível fazer um cinema de qualidade e um filme considerado “blockbuster” ao mesmo tempo.

Com sabedoria, faz uso de tecnologias atuais de efeitos mas não deixa que esse aspecto se sobressaia, tirando a atenção do espectador em relação à história. De forma esperta, trabalha com o tema da amizade, que parece batido, mas que ganha novos nuances na trama, valorizando não somente o herói mas todo o elenco principal. E com muito bom humor, satiriza situações clichês de filmes de ação, rendendo boas risadas.

Mas de forma geral, em Guardiões da Galáxia, o mais importante é a trilha sonora. Responsável por guiar o espectador pela história do longa, trabalha a tendência da nostalgia e reconexão com o passado, tema muito atual e pertinente. Palmas para o longa metragem, pelo capricho.

 

Cinema

A entrega do Oscar , o maior prêmio da indústria do cinema de Hollywood, se aproxima, e hoje em dia nós brasileiros conseguimos acompanhar a premiação na íntegra ao vivo, e assistir a todos os filmes (ou quase todos) antes da premiação, para poder torcer pelos favoritos no dia da cerimônia.

Mas como aproveitar ao máximo cada experiência de ver os filmes indicados, e entender o propósito de cada um?

Dependendo do filme, o segredo ao assistir é um: a definição e tamanho da tela, se a experiência fica melhor em 2D ou em 3D, ver no cinema ou em casa, ver acompanhado ou sozinho, ver durante o dia ou à noite, com ou sem pipoca. Independente da opção escolhida, e do gosto pessoal, um detalhe é imprescindível: o estado de espírito. Só ele pode determinar se você vai gostar de um filme ou não.

Querer assistir a um filme, e estar disposto a aceitar as licenças poéticas é fundamental. O mais importante é o humor. Bom ou mau humor, a depender do longa metragem. Só fazendo bom uso dele (ou se deixando contaminar por ele), é possível entender a alma de cada filme, e no caso desse ano, a ousadia de Trapaça, a humildade de Dallas Buyers Club, a angústia de Capitão Philips, a força de Gravidade (sem trocadilhos, hein), a sutileza de Nebraska, o dilema de Philomena, a ingenuidade de Ela, a crítica de O Lobo de Wall Sreet, e a beleza de 12 Anos de Escravidão.

Como todo tipo de arte, o cinema depende da interpretação e da empatia do espectador.